Resenha: O Inferno de Gabriel

14:13


Já havia lido algumas coisas sobre o livro O Inferno de Gabriel e comentários na internet comparando-o a 50 Tons de Cinza. (Apesar da referência, continue lendo a resenha, por favor) Só havia lido feedbacks positivos sobre o livro, então decidi comprovar por mim mesma. Já respondo a uma pergunta logo de cara: Não! O livro não tem absolutamente nada a ver com a trilogia 50 Tons de Cinza. E digo mais, a trilogia O Inferno de Gabriel virou um dos meus tesouros.
Como li em uma das resenhas sobre o livro, você não consegue parar de ler O Inferno de Gabriel e nem sabe o porquê. O livro pode ser baseado em clichês como a garota pobre que sempre amou o homem rico e a aluna se envolvendo com professor, mas fica por aí. A narrativa é envolvente e muito bem estruturada. É impossível se perder ao longo da história, os diálogos são inteligentes e os personagens são profundos e nada previsíveis.
Assim como vários livros são citados como Romeu e Julieta dos dias de hoje, a trilogia O Inferno de Gabriel é a história de Dante e Beatriz da Divina Comédia contextualizada nos nossos dias, pode-se dizer assim. A história faz inúmeras referências ao clássico de Dante Alighieri.  

“A salvação de um homem. O despertar da sexualidade de uma mulher.

Enigmático e sedutor, Gabriel Emerson é um renomado especialista em Dante. Durante o dia assume a fachada de um rigoroso professor universitário, mas à noite se entrega a uma desinibida vida de prazeres sem limites.

O que ninguém sabe é que tanto sua máscara de frieza quanto sua extrema sensualidade na verdade escondem uma alma atormentada pelas feridas do passado. Gabriel se tortura pelos erros que cometeu e acredita que para ele não há mais nenhuma esperança ou chance de se redimir dos pecados.

Julia Mitchell é uma jovem doce e inocente que luta para superar os traumas de uma infância difícil, marcada pela negligência dos pais. Quando vai fazer mestrado na Universidade de Toronto, ela sabe que reencontrará alguém importante – um homem que viu apenas uma vez, mas que nunca conseguiu esquecer.

Assim que põe os olhos em Julia, Gabriel é tomado por uma estranha sensação de familiaridade, embora não saiba dizer por quê. A inexplicável e profunda conexão que existe entre eles deixa o professor numa situação delicada, que colocará sua carreira em risco e o obrigará a enfrentar os fantasmas dos quais sempre tentou fugir.

Primeiro livro de uma trilogia, O inferno de Gabriel explora com brilhantismo a sensualidade de uma paixão proibida. É a história envolvente de dois amantes lutando para superar seus infernos pessoais e enfim viver a redenção que só o verdadeiro amor torna possível.”


O primeiro livro da trilogia nos apresenta a ponta do iceberg da história de Gabriel e Julianne, introduzindo seus passados e nos apresentando os personagens. Exatamente como é explicitado acima, o livro explora brilhantemente o reencontro dos dois.
Comparar a escrita de O Inferno de Gabriel com 50 Tons de Cinza é, no mínimo, inadequado. O sadomasoquismo não é abordado como tema (só é citado como uma experiência passada, mas não é descrito nem explorado por mais de algumas linhas) e o livro não possui de maneira alguma excesso de cenas eróticas. O livro é escrito de maneira exemplar, possui um vocabulário digno de se referir à Divina Comédia e aborda questões do íntimo de Gabriel e Julia com precisão. Sylvain Reynard escreve como quem sabe o que está dizendo e mostra que possui um vasto conhecimento de literatura, línguas e cultura. O Inferno de Gabriel é robusto e inteligente, mas sem chatear ou enjoar o leitor, não pensei em abandonar a leitura nenhuma vez. Ao longo da narrativa Sylvain mostra que sabe o que está dizendo sem “forçar a barra” com as referências e diálogos, não precisa ser um especialista em Dante como o Professor Emerson para se apaixonar pela história e se encantar pela inocência e inteligência de Julianne.  
Para mim, um livro é considerado bom quando ele acrescenta alguma coisa à minha vida. Nesse quesito, O Inferno de Gabriel é ótimo. Não vou comentar o que me acrescentou porque acho isso muito subjetivo e cada um deve ter sua própria leitura e interpretação, mas é impossível ler a trilogia e dizer que não tirou nada de bom da história, mesmo o mais crítico dos leitores.
A leitura é fácil e flui de maneira bem positiva. Não achei nenhuma parte desnecessária, todas as cenas vão caracterizando um conjunto que se desenvolve até o fim da trilogia. O Inferno de Gabriel vai me acompanhar por um bom tempo, tanto suas referências, quanto o autoconhecimento adquirido com a trilogia. Entrou definitivamente na minha lista de queridinhos.    
O Inferno de Gabriel foi escrito por Sylvain Reynard e publicado no Brasil pela editora Arqueiro. O segundo volume é intitulado O Julgamento de Gabriel e o último A Redenção de Gabriel

Classificação: 5/5 estrelas.

“A princípio, não a reconheceu. Sua beleza era de tirar o fôlego. Seus movimentos, graciosos e confiantes. Porém havia algo em seu rosto e em suas formas que lhe lembrou a jovem pela qual se apaixonara tempos atrás. Cada um deles havia seguido seu caminho, mas o poeta sempre lamentaria a perda de seu anjo, de sua muda, de sua amada Beatriz. Sem ela, sua vida era solitária e insignificante.
Agora, lá estava a sua bem-aventurança.”


Gostou da resenha? Já leu o livro ou ficou com vontade de ler? Não deixe de comentar!

You Might Also Like

33 comentários

  1. Eu sou louca pra ler esse livro desde que ele foi lançado, mas sempre fico adiando. Só que depois dessa resenha muito bem escrita vou ter que me render e comprar essa trilogia!!

    Mil Beijos,
    Ray!
    http://balaiodediva.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo elogio e pelo comentário, significa muito pra mim!! Espero de coração que você goste da trilogia pelo menos um décimo do que eu gostei. Não deixa de comentar aqui de novo ou me falar o que achou depois, ok? Estou aguardando ;)

      Excluir
    2. A algum filme desta trilhos?

      Excluir
    3. Estou tentando ler, esta muitooooo chato !!!

      Excluir
    4. Eu também acho muito chato. ela parece uma colegial em nada lembra uma mestranda, ele parece um pedreiro, grosso, manipulador e chato.

      Excluir
  2. Não conhecia mas adorei a historia vai pra lista de livros pra ler esse ano
    Beijos

    Blog | Fan Page

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada por comentar, não deixe de me falar o que achou depois que ler o livro, ok? :)

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Oi adorei.. muito obrigado, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca li nada sobre esse livro, obrigada pela sugestão, vou procurar saber mais!

      Excluir
  5. Livro otimo comecei hj e ja to na metade o capitulo seis e lindo! Sua resenha sem comentarios Perfeita!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! Não deixa de voltar aqui e me contar o que achou, ok? :)

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. O livro em questão é ótimo mesmo! E considero que a história não se compara a história do livro 50 tons de cinza, o qual também já li e me encantei pelo caso de amor e salvação de Christian Grey e Anastácia Steele, isso focando no amor que foi se construindo durante a história. Mas o Inferno de Gabriel é diferente em tudo, o amor entre Gabriel Emerson e Julianne Mitchel é de tirar o folêgo, pois é um tipo de amor tão poético que é difícil de descrever em palavras, a história é mais rebuscada e erudita, é simplesmente linda!

    ResponderExcluir
  8. Gostei da sua resenha .concordo com tudo amei a historia li a trilogia 5vezes.se tornou meu livro de cabeceira um tesouro para mim Tomata que se transforme em filme assim como 50 tons que amei também me apaixonei por Gabriel e Julianne são perfeitos.

    ResponderExcluir
  9. Gostei da sua resenha .concordo com tudo amei a historia li a trilogia 5vezes.se tornou meu livro de cabeceira um tesouro para mim Tomata que se transforme em filme assim como 50 tons que amei também me apaixonei por Gabriel e Julianne são perfeitos.

    ResponderExcluir
  10. Amei, me apaixonei pela história e por tudo que acabei aprendendo com o livro, comecei a pesquisar mais sobre Botticelli, Dante, esse livro me fez a querer aprender algo mais!

    ResponderExcluir
  11. Já li o livro e me apaixonei, queria muito saber se existe o filme sobre o livro, alguém sabe me responder?

    ResponderExcluir
  12. Nossa será que só eu achei a história cansativa e sem contar na hora que vão fazer amor foi tanta enrolação que eu achei que seria uma coisa do outro mundo eu sinceramente não gostei e o pior que eu comprei os três livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos dois... É muita enrolação, muito chato esse livro

      Excluir
    2. Achei muito chato. Mocinha cliché , sem graça e herói Grosso e cansativo. Desisti na metade. Valeria

      Excluir
  13. A história é tão envolvente que li os 3 livros em menos de um mês estou apaixonada pela história e se os boatos que rolam dizendo que haverá o filme forem realmente verdade, maú posso esperar para assisti-lo.
    😍😍😍😍

    ResponderExcluir
  14. Oie comprei a trilogia inteira, só pelos comentários positivos que li a respeito dos livros...
    Partiu ler todos nas férias!!!

    ResponderExcluir
  15. Ainda não li essa trilogia e a resenha me esclareceu algumas coisas. A comparação com 50 Tons me deixou com um pé atrás, já que detestei o exagero e enrolação desse livro, abordando um tema de uma maneira meio sem noção. Não deixei de pensar que O Inferno de Gabriel era só mais um nessa onda pós-Grey. Pelo visto a escrita da Reynard é um salto gigantesco em relação a da James. Tenho medo de me decepcionar com os personagens, de serem superficiais (li um comentário dizendo que a Julianne é uma chata). Enfim, essa trilogia eu acabo adiando, mas já está na lista de leituras.

    ResponderExcluir
  16. Olá, Boa tarde!
    Estou na metade do segundo livro, o Julgamento de Gabriel. Confesso que achei a história (ficção) linda, estilo de amor romântico, cavalheiro, gentil. Quem não passou ainda das primeiras páginas do primeiro livro não entende ainda sobre o q. estou falando. Já lí os livros go Grey e Anastácia, de Cinquenta Tons de Cinza, até o livro escrito na versão do Grey e aguardo os próximos livros na versão dele. Lí tbém os 4 livros do Crossfire, da Eva e Gideon de Sylvia Day, estou aguardando o último livro Todo Seu e comparando eles, o amor de Gabriel e Julliane em minha modesta opinião foi o melhor. Longe de julgar opiniões, cada qual com a sua, mas a minha é esta.
    Adorei sua resenha, obrigada!
    Att; Nanda.

    ResponderExcluir
  17. No início Gabriel é um pé no saco, chato,insuportavelmente mal humorado... Mas com o passar o livro o homem se transforma de um jeito que meeeeeu beeeem, me fez apaixonar por ele... Protetor, companheiro, amigo além de amante fantástico.
    Amei a escrita, amei as referências citadas. E por curiosidade acabei lendo a divina comédia que tanto é citada no livro. Enfim... Faz parte dos meus favoritos com certeza.

    ResponderExcluir
  18. O inferno de Gabriel é simplesmente perfeito, a escrita dele é o que mais me prende, é tão perfeita que você é absorvida pelo livro e até se esquece de que está lendo as vezes rs É um livro perfeito e super recomendo <3

    ResponderExcluir
  19. Verdade que o livro O Inferno de Gabriel é mais estruturado que Cinquenta Tons de Cinza. Mas falar que essas duas obras não tem nada a ver, você só deve estar maluca.

    ResponderExcluir
  20. Verdade que o livro O Inferno de Gabriel é mais estruturado que Cinquenta Tons de Cinza. Mas falar que essas duas obras não tem nada a ver, você só deve estar maluca.

    ResponderExcluir

recent posts

Like us on Facebook

Twitter