Minha Eterna Nostalgia

18:22

Sobre os melhores desenhos do mundo, a melhor época de todas e uma constante saudade.


Durante as férias, em mais um daqueles maravilhosos dias em que você pode ficar completamente à toa sem sentir o menor dos remorsos, eu estava zapeando pelos canais da televisão e me senti extremamente incomodada. Quando era mais nova, eu costumava passar minhas férias tentando dar um jeito de conciliar o tempo entre os muitos desenhos animados que eu tanto adorava. Se você tem a mesma idade que eu, vai entender. Eram tantos programas, tantos desenhos ótimos que ficava difícil escolher apenas um por 30 minutos. Naquela época, canais como o Cartoon Network (que ainda se chamava assim), Nickelodeon e o Jetix – que veio logo após o Fox Kids – disputavam acirradamente a preferência dos jovens. E era muito difícil. Justamente por conta dessa concorrência, posso dizer com toda a certeza que assisti aos melhores desenhos animados e programas infantis da televisão.
Minhas férias eram decididas de acordo com a programação dos meus canais preferidos. Meus primos se sentiam da mesma maneira, então sempre que viajávamos para o interior, nos programávamos para não perder um episódio dos nossos desenhos. Acordávamos cedo e assistíamos àqueles programas de começo de manhã, brincávamos até a hora do almoço quando comíamos “amontinhados” na frente da televisão e esperávamos a tarde passar voando para comer pizzas e sanduíches assistindo a mais um programa.
Eram tantos desenhos que fica difícil lembrar todos os bons. Lembro que o Cartoon e o Jetix disputavam minha atenção. De um lado, o Jetix me prendia com Power Rangers, Digimon, Dave, O Bárbaro, Witch, dentre outros. Do outro... O Cartoon era – em minha opinião – o melhor de todos disparado. Eu assistia a praticamente todos os desenhos. O Laboratório de Dexter, Johnny Bravo, A Vaca e o Frango, Eu Sou O Máximo, As Meninas Superpoderosas, Du, Dudu e Edu, Coragem, o Cão Covarde, Sheep Na Cidade Grande, Esquadrão do Tempo, As Terríveis Aventuras de Billy e Mandy, A Mansão Foster Para Amigos Imaginários, Space Ghost de Costa a Costa, Dragon Ball Z, Os Cavaleiros do Zodíaco, Pokémon, Sailor Moon, Sakura, e muitos outros que aposto que você também nem lembrava e sente falta. A grade era imensa e completamente perfeita. Lembro que colocava o despertador para a madrugada e acordava para ver Ciência Travessa e Goosebumbs no Jetix e morria de ansiedade para assistir InuYasha (meu anime preferido até hoje) e Samurai X no Cartoon. Adorava assistir A Família Adams e Adult Swim como se eu fosse mesmo adulta. Foi assistindo à Liga da Justiça e aos X-Men que meu vício por heróis em quadrinhos começou. O Máscara, O Que Há de Novo Scooby-Doo e Seis Dezesseis são outros que nunca vou conseguir esquecer.
Não sei quando os desenhos começaram a ficar horríveis e sem graça. Assistia todos os dias e acompanhei, gradativamente, os meus programas preferidos sendo cancelados, tirados do ar e sendo substituídos por animações sem sal e histórias repetitivas. Não sei se as pessoas pararam de se interessar pelos melhores desenhos do mundo ou se apenas nasceu uma geração que preferia esse tipo de programa que passa hoje. Os meus canais preferidos foram morrendo, sendo comprados por outros maiores e não só mudaram de nome como perderam toda a sua essência. Com o passar dos anos, se eu quisesse matar a saudade de algum desenho querido, não podia mais simplesmente ligar a televisão a qualquer horário do dia. Mais um tempo se passou e nem adiantava mais procurar a programação da TV porque eu sabia que simplesmente não assistiria mais a InuYasha ou Samurai X. Não adiantava mais ligar a televisão escondida de madrugada porque Goosebumps e Ciência Travessa não iriam mais ao ar. Um dia eu percebi que meus desenhos tinham todos chegados ao fim. Aquele conforto tremendo que eu sentia ao apertar o controle remoto havia desaparecido. Pra sempre.
Durante as férias, em mais um daqueles maravilhosos dias em que você pode ficar completamente à toa sem sentir o menor dos remorsos, enquanto zapeava pelos canais, eu tive minha primeira crise de idade. Mal passei dos vinte e já posso dizer que na minha época as coisas eram diferentes, melhores. Se você teve a mesma infância que eu, há de concordar comigo. De vez em quando, quando sinto aquele aperto tremendo no peito e preciso retomar um pouquinho aquela sensação antiga, procuro no YouTube ou em torrent alguns episódios dos meus tão amados desenhos animados. Não é a mesma coisa, nunca mais vai ser, mas serve como consolo por um tempinho.
Sei que cada momento com meus primos em frente à telinha, cada escapadinha na madrugada para a sala de televisão me marcaram de um jeito especial. Parece meio tosco, mas é como eu passei a maior parte da minha infância: fazendo coisas toscas e simples, divertidas. Ir para o interior, brincar com meus primos e voltar toda suja para a casa da vó esperando a hora de poder assistir ao Cartoon fizeram parte do que eu sou hoje. Gostaria que os programas infantis de hoje fossem como eram nos anos noventa e início dos anos vinte, garanto que chegaria em casa todo dia e correria para assistir às mesmas histórias de sempre e nem ousaria reclamar.
Sempre que passo perto de um livro dos Goosebumps me seguro para não comprar, mesmo não sendo a literatura que eu aprecio hoje em dia. Tenho todos os episódios de InuYasha devidamente salvos no meu celular e, quando não consigo dormir, me contento com minha nova madrugada. Algumas trilhas sonoras nunca vão deixar minha mente e meu iPod. Quando me reúno com meus primos naquela mesma mesa de sempre na casa da vó, conversamos como se fôssemos os mais velhos da família, mas acabamos voltando ao início, relembrando e discutindo sobre qual era o melhor episódio da Vaca e o Frango.

A gente cresce, mas algumas coisas vão sempre continuar as mesmas. Pena que não posso dizer isso dos meus desenhos animados. Não me conformo com algumas mudanças, principalmente aquelas relacionadas aos meus animes e tardes de sábado. Mas fazer o que? Um dia eu ainda aprendo a lidar com isso, não hoje, não amanhã, mas quem sabe um dia?


E você? Teve a mesma infância que eu? Qual desenho você sente mais falta? Se gostou da crônica, por favor, não deixe de comentar! 

You Might Also Like

5 comentários

  1. Que texto lindo! Resumiu como eu me sinto a respeito da minha infância! E eu jurava que era a unica que assistia Seis Dezesseis haha que saudades!!! Sou nova aqui e já amo seu blog <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também jurava que só eu assistia!! Cartoon era bom demais :( Seja bem vinda!! Espero que continue visitando o blog sempre, ficaria muito feliz. Não deixa de curtir a página no Face, assim não perde nenhum post. MUITO obrigada por comentar, espero te ver mais vezes aqui ;)

      Excluir
  2. Own Laura, arrasou. Me identifiquei muito. Me sinto exatamente assim. Morro de saudade dos bons desenhos que assistia na infância. Infelizmente hoje os desenhos são feitos para crianças que quase já não sentam em frente a TV pra assistir. A internet tirou as crianças da frente da TV, e as emissoras tiraram nossos desenhos favoritos do ar. Graças ao You tube, ainda podemos matar a saudade de vez em quando. Adorei o post e blog. Obrigada por ter visitado o meu. Bjs =)

    | Senhorita Laranjinha |

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! A internet acabou com a qualidade dos desenhos que eram tão constantes para nós. Recorro ao Youtube ou a sites de torrent quando bate aquela nostalgia, é sempre bom relembrar alguns dias passados. Muito obrigada por comentar e por visitar ;)

      Excluir
  3. Laura ficou show esse post, vou compartilhar com a galera. Eu ia falar sobre a Familia Adams que eu sempre gostei muito, mas acabei esquecendo e você me fez sentir nostalgia com esse post.

    Você é demais <3

    http://www.mayentrandonoassunto.com/2015/08/os-meus-desenhos-favoritos-da-cartoon.html

    ResponderExcluir

recent posts

Like us on Facebook

Twitter