Resenha: The Kiss of Deception

15:14


Nos últimos tempos, praticamente em todo site literário que eu entrava, lia algo a respeito de The Kiss of Deception. Depois de todos os depoimentos positivos que li a respeito do livro, não pude resistir e tive que conferir. Não me decepcionei. Salvo algumas ressalvas, a história da princesa Lia é envolvente e arrepiante e me fez ansiar por mais até a última página.

“Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas menos para a protagonista dessa história. Morrighan é um reino imerso em tradições, histórias e deveres, e a Primeira Filha da Casa Real, uma garota de 17 anos chamada Lia, decidiu fugir de um casamento arranjado que supostamente selaria a paz entre dois reinos através de uma aliança política. O jovem príncipe escolhido se vê então obrigado a atravessar o continente para encontrá-la a qualquer custo. Mas essa se torna também a missão de um temido assassino. Quem a encontrará primeiro?

Quando se vê refugiada em um pequeno vilarejo distante o lugar perfeito para recomeçar ela procura ser uma pessoa comum, se estabelecendo como garçonete, e escondendo sua vida de realeza. O que Lia não sabe, ao conhecer dois misteriosos rapazes recém-chegados ao vilarejo, é que um deles é o príncipe que fora abandonado e está desesperadamente à sua procura, e o outro, um assassino frio e sedutor enviado para dar um fim à sua breve vida. Lia se encontrará perante traições e segredos que vão desvendar um novo mundo ao seu redor.”

 

FICHA TÉCNICA
Título: The Kiss of Deception
Autora: Mary E. Pearson
Ano: 2016
Páginas: 409
Idioma: Português
Editora: Darkside Books
Nota: 5/5


The Kiss of Deception engana um pouco pela sinopse. Minha primeira impressão me levou a pensar que seria um romance um pouco infantil e, de certa forma, clichê. Pensei que o livro seria um triângulo amoroso e as tentativas de adaptação de uma princesa foragida em meio a um ambiente completamente plebeu. Não foi nada do que eu estava esperando. Foi melhor.

O enfoque da história não está no possível triângulo amoroso ou na relação de Lia com os outros personagens apesar de ser parte essencial da trama. Algo que me conquistou na história foi o fato de que a busca pela liberdade de Lia e sua força feminina são os pilares da narrativa. Ela é uma personagem extremamente sensível e forte, duas características que geralmente não conseguem ser bem trabalhadas quando estão juntas.

Em um ato rápido que nunca poderia ser desfeito - ato este que punha fim a mil sonhos, mas dava à luz um desejo -, saí em disparada, buscando a cobertura da floresta, sem, em momento algum, olhar para trás.

Assim como Morrighan, existem outros reinos que têm mitologias, costumes e tradições diferentes. Lia percebe que existe muito mais para além dos muros de sua antiga vida e uma guerra é mais eminente do que ela acreditava.

A questão do romance fica em segundo plano durante grande parte do livro e a autora explora bem mais as descobertas de Lia a respeito de si mesma, de seu passado e de alguns mistérios que sempre a assombravam de certa forma.


A narrativa é alternada entre os personagens principais, mas a maior parte da história é contada pela visão de Lia. A autora não se demora nas visões do príncipe ou do assassino, apenas o suficiente para situar o leitor e enriquecer a narrativa. Não senti em nenhum momento que essa alternância foi desnecessária.

A história é muito bem desenvolvida, Mary E. Pearsons não deixa nenhum ponto desconexo e, quando deixa alguma informação no ar, é para construir o suspense e mistérios que serão apresentados nas continuações da história. A escrita da autora também é um ponto forte na narrativa. Tanto a construção dos personagens quanto a descrição detalhada dos cenários contribuem para que The Kiss of Deception seja quase um filme passando diante dos olhos.

Pode-se levar anos para moldar um sonho, mas é preciso apenas uma fração de segundo para despedaçá-lo.

A diagramação dos livros da Darkside sempre é algo que gosto de mencionar. Um bom leitor gosta de saborear um livro não apenas por seu conteúdo, mas por seu formato e manuseio. A capa se manteve fiel ao original americano e acho que foi algo positivo; a imagem é linda e ilustra bem a história (já vi muitos livros se perdendo na capa). Além da capa dura, essa edição também presenteia o leitor com um marcador de páginas de The Kiss of Deception e um pôster com um mapa dos reinos e com a ilustração da capa.

Minhas únicas ressalvas dizem respeito ao meio do livro e às explicações a respeito dos reinos. Senti falta de uma forma mais didática de explicar como os reinos se organizam, sobre os povos que habitam cada um desses reinos. Como a história é narrada em grande parte pela princesa Lia, entendo que muito tenha ficado de fora visto que a própria personagem está começando a descobrir o mundo, mas senti falta de algumas informações a mais.

Além disso, senti que a história perdeu um pouco o fôlego no meio da narrativa. O livro já começa com a fuga de Lia e parece ficar um pouco monótono depois de sua adaptação à sua nova vida. Demora algum tempo até que a narrativa comece a se agitar de novo e a recuperar o fôlego. O final não me decepcionou nem um pouco. Muito pelo contrário, me deixou curiosa para saber o que acontece na sequência.  

The Kiss of Deception é uma ótima pedida para fãs de romances e de fantasia. Mary E. Pearsons conseguiu construir um universo rico e apaixonante. Além de idiomas distintos criados para os diferentes povos, a autora se preocupou em criar tradições e lendas específicos para cada um. Senti como se estivesse imersa nesse mundo de fantasia.


 “Minha voz se ergueu, jogou-se, sentiu o pesar, cortou pelos ventos e depois se tornou parte deles, trançada com as palavras de milhares de anos, milhares de lágrimas, o vale se enchendo não apenas com a minha voz, mas com os lamentos de mães, irmãs e filhas de tempos passados. Era uma memória que ia além do céu distante e da terra que sangrava, uma canção de desprezo e amor, de amargura e misericórdia, uma prece tecida não apenas de sons como também de estrelas e pó, e todo o sempre. "E que assim seja", finalizei, "para todo o sempre."

Gostou da resenha? Já leu o livro ou ficou com vontade de ler? Então não esqueça de deixar uma curtida ou um comentário ;)

You Might Also Like

8 comentários

  1. Laura Brand, talvez não imagine o quanto é gostoso ler uma resenha bem escrita. Parabéns!

    Sobre o livro em si: uma única palavra QUERO! rs

    Diferentemente de você, é a primeira vez que ouço falar da história. Daria um ótimo filme, não? E o diretor certamente seria Guillermo del Toro, aquele que dirigiu "A Letra Escarlate", um filmaço!

    Concorda comigo?

    Certamente que sim, kkk...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rob! Fico muito feliz que a minha forma de escrever uma resenha tenha lhe agradado, espero que continue visitando o blog e que encontre mais dicas de livros incríveis, te garanto que têm muitos por aqui ;)

      Excluir
  2. Oi, tudo bem? Passei pela mesma fase de ver esse título em todo canto da internet (e praticamente da minha vida) e também me rendi. A diferença é que ainda não o li porque estou com algumas leituras na frente, mas antes da sua resenha eu já estava ansiosíssima e agora estou mais ainda! Gostei muito de como redigiu o texto e das suas opiniões. Quando eu ler, vou voltar aqui para trocarmos experiências! Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Giovanna! Também fico muito feliz que tenha gostado da resenha! Dá uma chance por livro sim, pode confiar em mim, não vai se arrepender ;)

      Excluir
  3. Oi Laura, tudo Bem?

    Comprei TKOD assim que lançou, mas ainda não li por falta de entusiasmo, talvez. Assim como você, ouvi algumas pessoas reclamarem que em algum ponto a história fica monótona, perde aquela sensação de que o fôlego irá faltar, mas que tudo volta quando descobre-se quem é o assassino e quem é o príncipe. Recebi um grande spoiler quanto a isso, então talvez isso justifique o fato de estar prolongando tanto está leitura!
    Em suma, adorei os seus apontamentos, sua resenha foi bem esclarecedora. Parabéns!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alice! Antes de ler o livro eu achava que era seria um super mistério em torno de quem é o assassino e quem é o príncipe, mas não é um spoiler, acredite! Eles revelam isso logo no começo do livro, então pode se animar de novo ahaha

      Excluir
  4. Adorei o livro! Infelizmente já tenho a minha lista cheia! Mas espero poder arranjar um espaço para por lá esse ☺

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, espero que arrume um espacinho, garanto que não vai se arrepender ;)

      Excluir

recent posts

Like us on Facebook

Twitter