Resenha: Jogo de Espelhos

by - 05:24



Jogo de Espelhos é o livro de estreia de Cara Delevigne no mundo da literatura. Com suspense ela surpreende os leitores e traz uma narrativa divertida, inusitada e que foge aos clichês adolescentes. Uma leitura pra sair da ressaca literária. 
Quer saber o que achei do livro? Então confira a resenha de Jogo de Espelhos:

“Naomi, Rose, Leo e Red são adolescentes enfrentando aquela fase em que se relacionar no colégio é tão difícil quanto encarar os próprios problemas. Red tem uma mãe alcoólatra e um pai ausente; o irmão de Leo está na prisão; Rose usa sexo e drogas para mascarar traumas antigos e Naomi se esconde atrás de peruca e maquiagem pesada.
Quatro adolescentes tão diferentes viram melhores amigos quando são obrigados a formar uma banda. O que era uma tarefa chata vira a famosa e popular Mirror, Mirror. Através da música, eles encontram um caminho para encarar o mundo de outra forma.
Mas tudo desmorona quando Naomi some misteriosamente e é encontrada, dias depois, entre a vida e a morte. O acidente desestrutura a banda e, consequentemente, a vida de todos. A sólida relação de amizade que eles achavam estar construindo tinha uma rachadura, e tudo o que restam são dúvidas e vazios. O que aconteceu com Naomi? Foi um acidente ou um ataque? Por que ela fugiria e deixaria a banda para trás? Por que esconderia segredos dos seus melhores amigos? Para desvendar o mistério por trás dessa história, Red e os amigos entram em uma investigação que vai desenterrar seus próprios segredos obscuros e fazê-los confrontar a diferença entre o que eles realmente são de verdade e a imagem que passam para o mundo.
Em seu romance de estreia, a modelo e atriz Cara Delevingne revela mais um talento ao apresentar um olhar fresco e sagaz sobre questões atuais da juventude: amizade, bullying, identidade, gênero, transtornos emocionais, a influência perigosa das mídias sociais nas relações e o poder destruidor da imagem."






FICHA TÉCNICA 
Título: Jogo de Espelhos
Autoras: Cara Delevingne, Rowan Coleman
Ano: 2017
Páginas: 304
Idioma: Português
Editora: Intrínseca
Nota: 3/5
Compre: Amazon
Comprando por esse link você ajuda e incentiva o Nostalgia Cinza
LIVRO CEDIDO PELA EDITORA




Jogo de Espelhos é um livro cuja história é bastante interessante, com uma temática atual e que foge aos clichês adolescentes muito comuns no gênero New Adult. O enredo tem começo, meio e fim muito bem delimitados e com uma boa divisão ao longo da narrativa. As autoras não se estenderam excessivamente em nenhuma parte da história, toda a narrativa corre muito bem e é fácil passar as páginas. A leitura não se torna entediante em nenhum momento, o que é um ponto forte e muito positivo, ainda mais quando se leva em conta que é um livro de estreia para Cara Delevigne. O desenvolvimento também é feito sem enrolações e sem desfechos muito inacreditáveis e fora do real.
Fiquei surpresa com a escrita da Cara Delevigne e com sua estreia no mundo da literatura. É impossível não ficar receosa quando uma celebridade decide se aventurar em um ramo completamente diferente do seu habitual, mas acredito que Cara conseguiu fazer isso bem. Ambas as autoras conseguiram escrever um livro interessante para o público jovem, bem elaborado e fica claro que houve um trabalho por trás da ideia do livro.


“Finalmente, deixo que ele me abrace, pressionando o lado dolorido do meu rosto na camisa dele, e choro, porque estou triste, porque senti tanta saudade dele e, mais do que tudo, porque senti saudade de como ele me passava uma sensação de segurança, algo que eu não sinto há muito tempo." p.236 

A tradução de Jogo de Espelhos merece um parágrafo especial. É difícil encontrar livros estrangeiros que abordam a temática adolescente com diálogos reais e perfeitamente críveis. A tradução conseguiu ressaltar a temática do livro com gírias e expressões extremamente atuais e cabíveis no contexto da história. Não ficou nada forçado ou desatualizado, é possível sentir como se estivéssemos observando uma interação real de adolescentes reais do nosso tempo. Todas as expressões usadas são plausíveis. Raramente faço menção ao tradutor, então gostaria de deixar aqui esse comentário positivo.
A diagramação do livro também merece um parágrafo à parte. Foram acrescentados, ao longo das páginas, trechos de músicas da banda Mirror Mirror como se tivessem sido tiradas de fóruns online; também foram incluídos trechos de conversas de aplicativos em uma formatação diferente imitando uma tela de conversa; prints de supostas fotos e comentários do Instagram também foram acrescentados etc. Todo o livro foi feito para que o público jovem pudesse se identificar da melhor forma possível com a realidade. Esses detalhes, além de contribuírem para que o livro seja visualmente interessante, ajudam a tornar a leitura ainda mais dinâmica, fluida e divertida. São esses itens que quebram a narrativa, prendem o leitor e faz com que passar as páginas seja algo espontâneo e ainda mais natural.






Entretanto, o livro tem alguns pontos que deixaram bastante a desejar. O enredo não é muito complexo e não vai além do que promete. O suspense poderia ter sido bem mais explorado e os personagens também. As autoras pensaram em personagens complexos e profundos com dilemas que fogem aos clichês tradicionais dessa faixa etária, mas não exploraram esse potencial a fundo. Gostaria de ter tido mais contato com esse lado mais humano, real e imperfeito. Cada um dos integrantes da banda poderia ter tido mais destaque e seus dilemas também.
A sensação é que o livro apenas explora a superfície de todos os temas que aborda, ele não mergulha a fundo em nenhum. Nem o assédio, a pedofilia, o alcoolismo, o uso de drogas para esquecer abusos, o preconceito com relação à homossexualidade de um dos personagens etc. É um livro com problemas reais que merecem reconhecimento, mas que não são explorados ou bem trabalhados. Tudo se resolve com facilidade e alguns sérios conflitos ficam em segundo plano e parecem perder sua magnitude. Mesmo sendo voltado para o público adolescente, senti que essas temáticas poderiam ter sido melhor trabalhadas. Ficou a sensação de que faltava alguma coisa, como se alguns desses problemas não merecessem tanto destaque em meio à narrativa.



“Não consigo explicar a sensação de ver aquelas palavras e emojis preenchendo a tela do meu celular mais uma vez, depois de vinte e quatro horas de um silêncio destruidor. Antes do meu aparelho vibrar embaixo do travesseiro, eu nem estava dormindo de verdade, só de olho fechado, com a cabeça a mil no escuro. E, então, Rose apareceu e ficou tudo bem.." p.180 


Jogo de Espelhos é uma leitura divertida e que atende bem seu público-alvo, mas não é marcante e deixa a desejar. Para aqueles que procuram um livro para sair de uma possível ressaca literária, mas sem tirar o leitor de qualquer zona de conforto e aprofundar em temáticas sérias. É um daqueles livros para se divertir sem precisar refletir muito a respeito da leitura.

Se você gostou da resenha e quer saber mais sobre minha última leitura da Intrínseca, confira a resenha de O curso do amor!

“Meus olhos ardiam, minha boca estava seca, meu coração batia acelerado. Não queríamos ir para casa, mas o que poderíamos fazer? Não havia para onde ir.
- Por que agora? - Perguntou Rose. - Estava tudo bem, cara. Ela estava bem, feliz. Tipo, por que agora?" p. 9



Quer ficar por dentro de todos os posts do Nostalgia Cinza? Então assine a newsletter! É só colocar seu email, prometo não encher sua caixa de entrada <3

You May Also Like

8 comentários