Resenha: Deuses Americanos (Sombras #1) - HQ

by - 12:04


O sucesso de Neil Gaiman não é novidade para quem está atento ao mundo da literatura. Meus primeiros contatos com sua escrita foram por meio de algumas histórias mais recentes, incluindo Mitologia Nórdica e Alerta de risco. Deuses Americanos é sua obra mais célebre e, além do livro, rendeu uma série Amazon Prime Video, mas ainda não estava na minha lista de leituras. Quando a Intrínseca anunciou que publicaria aqui no Brasil esse clássico da literatura fantástica em formato de HQ, decidi que já estava na hora de ler a obra e me aventurar nesse mundo criado por Gaiman.

Quer saber o que eu achei da HQ de Deuses Americanos? Então confira a resenha:

"Mistura de road trip, fantasia e mistério, o romance Deuses Americanos alçou Neil Gaiman à fama mundial e ao posto de um dos maiores escritores de sua geração. Agora, os fãs de quadrinhos e da obra-prima do autor têm mais um motivo para celebrar: chega às livrarias o primeiro volume das graphic novels inspiradas em Deuses americanos. Ao todo, serão três volumes.
Em Sombras, as cores e os traços vibrantes de P. Craig Russell e Scott Hampton nos apresentam Shadow Moon, um ex-presidiário de trinta e poucos anos que acabou de sair da prisão e descobre que sua mulher morreu em um acidente de carro. Sem lar, sem emprego e sem rumo, ele aceita trabalhar para o enigmático Wednesday e embarca em uma viagem tumultuada e reveladora por cidades inusitadas dos Estados Unidos. É nesses encontros e desencontros que o protagonista se depara com os deuses - os antigos (que chegaram ao Novo Mundo junto dos imigrantes) e os modernos (o dinheiro, a televisão, a tecnologia, as drogas) -, que estão se preparando para uma guerra que ninguém viu, mas que já começou. O motivo? O poder de não ser esquecido."


FICHA TÉCNICA

Título: Deuses Americanos
Autor: Neil Gaiman
Ano: 2018
Páginas: 264
Idioma: Português
Editora: Intrínseca
Nota: 3,5/5
Compre: Amazon 
Comprando por esse link você ajuda e incentiva o Nostalgia Cinza
LIVRO CEDIDO EM PARCERIA COM A EDITORA



Deuses Americanos tem uma premissa extremamente interessante e capaz de deixar o leitor curioso desde o começo da história, quando somos apresentados a Shadow, o protagonista. Com exceção de algumas cenas, a história dos deuses é contada a partir do ponto de vista de Shadow, de acordo com seu envolvimento na narrativa e participação no desenrolar dos acontecimentos. É Shadow quem representa o leitor ao longo da história porque diversos fatos só vão sendo explicados à medida que o próprio Shadow os descobre.

A história toda é contada por meio de viagens de um lugar para outro. Praticamente não existem cenários repetidos e Shadow está sempre em movimento, sempre indo atrás de algo ou cumprindo uma ordem de ir para algum lugar. A própria história dos deuses é contada enquanto os acontecimentos da HQ se desenrolam.

Algo que me incomoda a respeito de Shadow é sua facilidade em aceitar tudo o que acontece ao longo da história. Ele pouco questiona o que lhe é dito, não parece se importar tanto em diversos momentos por mais absurdos que eles possam ser e o vi com uma personalidade bem fraca para um protagonista que precisa ser o centro de uma história cujos coadjuvantes são deuses das mais diversas épocas. 


Deuses Americanos é uma HQ rica em conteúdo, perfeita para aqueles que gostam de ler quadrinhos com histórias complexas baseadas em diálogos ricos e narrativas muito bem trabalhadas. Não é uma HQ rasa, muito pelo contrário, é fácil se perder em meio a tantos personagens, tantos deuses e tantas histórias que são contadas paralelamente à jornada de Shadow.

Acredito que, por conta da quantidade de informações que são passadas em um ritmo acelerado, às vezes pode ser difícil mergulhar na história de forma mais fluida e se identificar com algum personagem. Não existem muitas explicações e cabe ao leitor descobrir nas entrelinhas o que acontece por trás da narrativa principal, o que é um bônus para aqueles que não gostam de histórias muito "mastigadas".

Por conter muito texto, a leitura não é tão rápida como acontece com outras histórias em quadrinhos, além do fato de que as ilustrações são feitas com tanto cuidado que merecem uma atenção especial, o que exige paciência e disposição. Ao final da história, essa edição ainda apresenta 20 páginas com os esboços das artes e notas de Daniel Chabon. Para os fãs de HQs é um prato cheio!


Deuses Americanos uma história baseada no movimento. Não apenas o movimento material do deslocamento de Shadow ao longo dos quadrinhos e sua passagem pelos lugares. O movimento também está relacionado às transformações das entidades cultuadas pelos homens. A história, tanto a narrativa quanto o contexto histórico, está sempre mudando, se reinventando, se movimentando a caminho de algo novo.

É uma narrativa bastante filosófica em suas reflexões. A cena em que Shadow se depara com deuses mortos é bem icônica. Na mitologia de Neil Gaiman, os deuses morrem quando o culto a essas entidades deixa de acontecer, ou seja, quando as ideias morrem, os deuses morrem também. Ainda segundo o mundo criado por Gaiman, deuses são constantemente criados pelos humanos já que os homens estão sempre buscando algo para adorar, mesmo que isso seja feito de forma involuntária e inconsciente. É interessante como ele materializa a tecnologia e o entretenimento, por exemplo, em forma de deuses próprios que estão acumulando cada vez mais poder e ameaçando os seres místicos que viveram no imaginário popular anteriormente.

Os traços da HQ são um espetáculo à parte. Como Deuses Americanos foi ilustrada por vários nomes, os desenhos são perceptivelmente diferentes em diversos capítulos. A própria separação de capítulos é ilustrada com traços de pintura digital, tornando as imagens muito realistas e expressivas, quase assustadoras. Os desenhos que compõem a maior parte da HQ também tentam se assemelhar à realidade com traços fortes e bem definidos, mas mantendo o tom caricato dos personagens. 


Apesar de não ter lido o livro ou assistido a série, a HQ de Deuses Americanos me parece uma ótima adaptação literária e, ao que tudo indica, fiel aos acontecimentos da história original. O cuidado com a edição, as artes e os diálogos ricos contribuem para que a história não perca em conteúdo, apesar de não ser uma leitura tão agradável para quem não se sente facilmente atraído por fantasias como as criadas por Neil Gaiman. Apesar de não ter me prendido tanto, nem me encantado da forma que eu esperava e não ter conseguido mergulhar na história como eu gostaria, acredito que a HQ de Deuses Americanos valha a leitura.

Gostou da resenha e quer conhecer uma HQ incrível publicada pela Intrínseca? Então confira a resenha de Nimona!


Quer ficar por dentro de todos os posts do Nostalgia Cinza? Então assine a newsletter! É só colocar seu email, prometo não encher sua caixa de entrada <3 

You May Also Like

4 comentários

  1. Oi Lau,

    Eu quero taaaaaaaaaaaaanto esse livro haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei feliz de ter lido, a história é bem interessante! <3

      Excluir
  2. Oie, tudo bem?
    Primeira vez te visitando. <3
    Que HQ bonita! Muito caprichada, deu pra notar. Não sei se leria no momento, em função do tempo escasso (aka TCC), mas parece uma ótima leitura.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  3. Não sei se é uma leitura que me agrada, gosto muito de HQs, mas o enredo em si não me chama muita a atenção.

    www.estante450.blogspot.com.br

    ResponderExcluir